Os tratamentos contra o câncer podem impactar na saúde do coração?

Os médicos se esforçam para evitar que a cura de uma doença cause outra.

O tratamento do câncer pode ser a proverbial espada de dois gumes. Radioterapia e quimioterapia estão aumentando o número de pessoas que sobrevivem ao câncer. No entanto, eles também podem fazer com que essas mesmas pessoas desenvolvam doenças cardiovasculares.

Radioterapia pode causar ataque cardíaco, insuficiência cardíaca e arritmias. Agentes de quimioterapia tradicionais e novos podem danificar o coração ou os vasos sanguíneos periféricos, ou causar problemas com coagulação ou lipídios sanguíneos. Alguns efeitos cardiovasculares graves ocorrem enquanto a quimioterapia está sendo dada; outros aparecem muito depois que o câncer se tornou uma memória distante.

“Quase todas as drogas de quimioterapia têm algum efeito no sistema cardiovascular, e a maioria não é boa. Mas com os novos agentes anticancerígenos, uma quantidade crescente de toxicidade cardíaca está sendo observada”, diz o Dr. Mandeep R. Mehra, diretor executivo do Centro de Doenças Cardíacas Avançadas do Brigham and Women’s Hospital e professor da Harvard Medical School.

A lista de efeitos indesejáveis causados por um inventário crescente de agentes antitumorais tem sobrecarregado a capacidade de cardiologistas e oncologistas médicos de acompanhar as estratégias de proteção cardíaca. Como resultado, uma nova especialidade surgiu para preencher a lacuna.

A cardio-oncologia é uma parceria de cardiologistas e oncologistas que combinam seus conhecimentos para ajudar a proteger o coração das pessoas em tratamento contra o câncer. “Ser acompanhado por um cardiologista altamente especializado pode beneficiar a maioria das pessoas com câncer, mas é particularmente importante para alguém que está em risco de doença cardíaca ou que já tem doenças cardíacas”, diz o Dr. Mehra.

O escopo do problema

Os efeitos colaterais cardiovasculares que surgem da terapia do câncer são assustadores. Alguns agentes de quimioterapia fazem com que o músculo cardíaco se enfraqueça logo após o início da quimioterapia. Novos inibidores de angiogênese que suprimem a formação de novos vasos sanguíneos fazem com que a pressão arterial aumente drasticamente e pode aumentar o risco de coágulos sanguíneos e insuficiência cardíaca. Terapias hormonais podem causar derrame, ataques cardíacos e coágulos sanguíneos. Outros agentes podem desencadear baixo fluxo sanguíneo para o coração (isquemia), ataque cardíaco, arritmias ou inflamação do saco ao redor do coração. Quando uma reação severa ocorre enquanto uma droga está sendo infundida, pode ser necessário parar o tratamento.

Os pesquisadores estão liderando um esforço para aprender mais sobre os efeitos dos agentes anticancerígenos no coração e no sistema cardiovascular. Enquanto os oncologistas testam agentes anticancerígenos em ensaios clínicos, os cientistas estão investigando os efeitos desses agentes no coração antes que os agentes sejam liberados para uso generalizado, e os cardio-oncologistas estão procurando maneiras de neutralizar esses efeitos.

Por outro lado

Além de prevenir doenças cardíacas em pessoas submetidas à terapia oncológica, é igualmente importante entender o impacto da quimioterapia em pessoas com doenças cardíacas e seus medicamentos.

Alguns inibidores de angiogênese podem tornar o clopidogrel (Plavix) menos eficaz. Pessoas que usam anticoagulantes podem sofrer sangramento excessivo quando a contagem de plaquetas cair como resultado do tratamento do câncer.

Certos agentes quimioterápicos podem interagir com a varfarina (Coumadin), tornando-a menos eficaz na prevenção de coágulos sanguíneos. Estatinas podem tornar a quimioterapia mais potente e, portanto, mais tóxica.

As propriedades tóxicas da quimioterapia podem diminuir a capacidade de uma pessoa com uma infecção bacteriana de válvula cardíaca para combater essa infecção, muitas vezes com resultados graves ou fatais.

Estas são áreas onde o cardio-oncologista pode oferecer conselhos valiosos que permitem que ambas as doenças sejam tratadas simultaneamente e com segurança.

Aflições de radiação

A radioterapia pode induzir doenças cardíacas se qualquer parte do coração for exposta à radiação. Os problemas podem ocorrer vários anos após a exposição e incluem doença arterial coronariana acelerada, enrijecimento do músculo cardíaco, inflamação e espessamento do saco pericárdico, problemas com condução elétrica ou danos nas válvulas cardíacas. Pesquisadores do Brigham and Women’s Hospital estão agora estudando o potencial de estatinas para proteger contra doenças cardíacas induzidas por radiação.

Estratégias de proteção cardíaca

Para iniciar o tratamento antes que ocorram danos irreversíveis ao coração, os indivíduos submetidos à terapia oncológica devem ser acompanhados com exames de rastreamento adequados. Estão sendo avaliados o uso de ecocardiografia, eletrocardiografia e certos biomarcadores para identificar problemas antes que os sintomas apareçam.

Há notícias encorajadoras de que algumas formas de doença cardíaca desencadeadas pela terapia antitumoral podem ser reversíveis. Recentemente, médicos relataram cardiomiopatia de inibidores de angiogênese que foi revertida com medicamentos cardíacos comuns.

Em última análise, a prevenção de problemas cardíacos da terapia contra o câncer é o objetivo. Aqui, também, há sinais de esperança. Em 2011, pesquisadores britânicos foram capazes de prevenir a insuficiência cardíaca de trastuzumabe (Herceptin) usando bloqueadores beta.

“Isso sugere que nem tudo está perdido. No entanto, é preciso uma parceria e um trabalho em equipe para tomar as decisões certas”, diz o Dr. Mehra.

“Se você está fazendo algum tipo de terapia contra o câncer, seu impacto no coração deve ser considerado. Peça ao oncologista e oncologista de radiação para adicionar um cardio-oncologista — ou se não estiver disponível, um cardiologista — à sua equipe de planejamento de tratamento.”

Fale conosco!
Dra. Uelra Rita Lourenço

CRM-SP: 88.881
RQE Clínica Médica: 61.415
RQE Cardiologia: 61.416
Agendamento de Consultas:
Telefone: (11) 99281-7578
Site www.saudeurl.com.br
São Paulo-SP e Osasco-SP

Fonte:

Cancer treatments may harm the heart

Harvard Heart Letter – Harvard Medical School

Acesso em 26-Novembro-2020